16 de janeiro de 2012

O pensador Paulo Freire

Pedagoga Ivaneide Bezerra da Silva
Olá, mais uma vez aqui para deixar registrado neste espaço algumas considerações e refletirmos juntos sobre questões de extrema relevância nos espaços e relações educacionais.

Desta feita, estarei trazendo um pouquinho sobre um educador renomado e reconhecido em vários países, sua atuação foi social, política e educacional, além de tudo isso, é brasileiro, isso mesmo, vamos conhecer um pouquinho sobre Paulo Freire.
Anexei ao final um vídeo que vai informar sobre sua vida ,obra e importância no cenário educacional. Dentre suas obras , não há como destacar uma que seja de maior importância para futuros educadores , todos trazem ensinamentos valiosíssimos. Ler a obra de Paulo freire, nos leva a refletir sobre o que é ser educador,e repensarmos nossa posição, nossos fazeres pedagógicos..

Vamos hoje refletirmos sobre algumas questões do ser educador,
Para sermos educadores , necessitamos nos autoconhecer, é importante que respeite e valorize sua história e a dos outros, potanto , exige uma autoavaliação constante. Como educador eu preciso atuar mais profissionalmente e menos passionalmente, enxergar o outro por inteiro, a comunicação é peça chave de um bom relacionamento aluno professor e vice versa, como afirma o educador Paulo Freire ,em seu livro “Pedagogia da autonomia” [...]não há docência sem discência" (p. 23), pois "quem forma se forma e re-forma ao formar, e quem é formado forma-se e forma ao ser formado" (p.25). Dessa forma, deixa claro que o ensino não depende exclusivamente do professor, assim como aprendizagem não é algo apenas de aluno. Quem ensina aprende ao ensinar, e quem aprende ensina ao aprender" (p. 25).
Paulo Freire fala do respeito ao conhecimento prévio do educando , e como saber o que o aluno já tem de conhecimento se eu não o ouso ?
Portanto o primeiro ponto para uma comunicação eficaz e que interfira positivamente no processo ensino aprendizagem é saber ouvir.
O professor é aquele que ouve o aluno, , mesmo que seja algo sem importância; mas só de ouvir e dar atenção podemos ganhar respeito e confiança do educando, além de sempre aprendermos com o que ouvimos.
Antes de expressar,é necessário que o educador saiba entender o que se passa no local ou com as pessoas, no modo delas falarem e ouvirem, as palavras ou expressões características etc. Conhecer o aluno e sua cultura, faz com que o professor se aproxime de suas realidades e consiga dar significado nos conteúdos .
Além de ouvir Freire ainda afirma que o professor precisa estar aberto ao diálogo, a fazer de suas aulas momentos de liberdade para falar, debater e ser aberto para compreender o querer de seus alunos. Para tanto, é preciso querer bem, gostar do trabalho e do educando...Olha o que ele fala sobre a curiosidade:

(...) O professor que desrespeita a curiosidade do educando, o seu gosto estético, a sua inquietude, a sua linguagem, mais precisamente, a sua sintaxe e a sua prosódia; o professor que ironiza o aluno, que o minimiza, que manda que "ele se ponha em seu lugar" ao mais tênue sinal de sua rebeldia legítima, tanto quanto o professor que se exime do cumprimento de seu dever de propor limites à liberdade do aluno, que se furta ao dever de ensinar, de estar respeitosamente presente à experiência formadora do educando, transgride os princípios fundamentalmente éticos de nossa existência (FREIRE. 1996 p. 66).

Este gostar para Paulo Freire , não é um gostar ingênuo de um professor licencioso, que permite tudo, mais um gostar de ver o ser humano crescendo em saber e descobrindo o conhecimento. O amor que chega ao ponto de dedicar-se, de doar-se e de trocar experiências, e um gostar de aprender e de incentivar a aprendizagem.
Este gostar também inclui o buscar do novo, a capacitar-se ,atualizar-se. Como a pesquisadora Lina Maria Braga Mendes alerta ,”O professor que dá aulas do mesmo jeito que teve aulas quando criança ou adolescente comete o erro grave de esquecer que é de outra geração”, voltando a Paulo Freire, ele afirma que a aula precisa ser bonita e ética,quando eu falo em ética , estou automaticamente me lembrando de ser justo, correto e acima de tudo me lembrando que não sou dono da verdade, que eu , assim como o educando somos seres inacabados , e portanto preciso ser hoje melhor do que fui ontem.

Agregando mais aos meus conhecimentos.


Referências bibliográficas
Freire, Paulo. Disponível em: http://www.projetomemoria.art.br/PauloFreire/biografia/index.jsp
Acessado em 16/01/2012

Nenhum comentário:

Loading...

Pesquisar este blog